Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

DESABAFOS

Gosto de viajar, ler, escrever, pintar, praia, sol, mar, café, gulodices. Não necessariamente por esta ordem, mas tudo no mesmo dia…

Gosto de viajar, ler, escrever, pintar, praia, sol, mar, café, gulodices. Não necessariamente por esta ordem, mas tudo no mesmo dia…

DESABAFOS

05
Abr22

MEMÓRIAS COM A MINHA AVÓ...


ROMI

IMG_20161225_171348.jpg

continuação:

(...) A minha avó acha as acendalhas uma modernice e manda-me buscar pinhas
para acender o lume. Lá vou eu com uma saca de serapilheira, tipo o papão da
minha infância versão feminino. Imaginei sempre que um papão era um homem
gordo com um saco de serapilheira às costas para lá por os meninos.
Curiosamente o saco estava sempre cheio, o que quer dizer que já lá tinha
meninos e por conseguinte eu já lá não cabia. Isso poderia ter-me tranquilizado
na altura, mas nunca tal me lembrou, vai daí comia sempre a sopa toda não
fosse o homem aparecer e me levasse no saco. Isto foi um à parte, dizia eu
que munida do saco fui apanhar as ditas pinhas. Ocorreu-me aquilo do nome
na árvore e por curiosidade fui verificar o estado em que estava, provavelmente
teria desaparecido, a natureza ter-se-ia encarregado de sarar as feridas. Senti
um peso de consciência por ter golpeado a árvore e seria um alívio não ver o
meu nome a denunciar tal crueldade. A verdade é que o meu nome continuava
lá e esculpido de fresco, golpes mais profundos, como se alguém se
encarregasse de periodicamente o manter vivo. Fiquei incrédula. Inspeccionei a
árvore toda, na esperança de encontrar outras iniciais num sítio qualquer. Em
vão. Só o meu nome ali jazia. 
Eu tinha de saber quem era o autor. Não tinha como, mas havia de descobrir
uma maneira. Como quem não quer a coisa, pergunto à minha avó se as
pessoas continuam a ir muito para o pinhal. Resposta pronta:  Eu ando lá a
guardar as pessoas para saber quem vai ou não? - Ok, por aqui não me safo.
Mas insisti, perguntei quem lhe costumava ir apanhar as pinhas, já que ela
andava sempre mal das cruzes e tinha "diabretes", de modo que não se podia
esforçar muito. Disse que era a vizinhança, todos no geral e nenhum em
particular, às vezes até lhe deixavam uma saca à porta e nem sabia quem tinha sido. - Alto aí, isto é uma pista. Quem deixa, anónimo, uma saca de pinhas à porta, também é pessoa para perpetuar o nome numa árvore.

O raio é que ninguém levava pinhas à minha avó quando eu lá estava. Inglório o esforço de
espreitar pela janela e outras vezes por baixo da porta, porque as portas das
aldeias não têm buraquinho para se espreitar, então espreita-se por baixo da
porta provavelmente para ver se os sapatos são conhecidos, já que pouco mais
se pode avistar. 
Numa dessas vezes, em que eu estava de rabo para o ar a espreitar pela
minúscula fresta da porta, reconheço os sapatos, versão alpergata, da minha 
avó e ingenuamente aguardo que ela toque a campainha, na falta dela que
faça truz-truz ou que meta a chave, dando tempo a que me recomponha e
disfarce. Qual quê, para abrir a porta basta puxar um cordel que está
estrategicamente preso ao trinco e passa por um buraquinho minúsculo que
fura a porta. Esta operação faz-se enquanto o diabo esfrega um olho e no
entretanto eu levo com a porta na testa, com uma pisadela na mão esquerda e
com o grito da minha avó provocado pelo susto. " Mas que diacho vem a ser
isto? “Raisparta” a rapariga que tanto m' atenta a minha alma..."  - Calma vó,
digo eu com um galo maior que a minha testa e com uma unha mais negra que
o xaile dela, eu só estava a tentar saber quem que lhe trás as pinhas, para
saber quem anda a esgravatar o meu nome no sobreiro que divide a Cidade
Grande da Cidade Pequena. - Demasiada informação para a minha avó que
não sabia das Cidades, sobreiros e nomes. Eu feita pateta a olhar para ela e
ela, a deitar-me pelos olhos, a olhar para mim. Quem me visse naquela
figurinha, ainda de gatas, com a mão sã na testa a segurar o galo, e soubesse
que  dias antes  tinha sido eleita, pelos colegas de trabalho, a miss nariz
empinado, a segunda melhor na categoria snob e quase a melhor na arte de
comer bolas de Berlim sem besuntar o queixo, iria certamente notar uma
grande contradição entre o parecer e o ser. Toda a gente sabe que para uma
contusão se usa gelo, na falta dele, já que  mantém o frigorífico desligado no
inverno porque a luz está pela hora da morte,   a minha avó vai buscar uma
pedra à rua, diria mesmo um pedregulho, que dada a temperatura do ar estava
gelado,  e espeta-me (no bom sentido) com ele no galo e eu começo a sentir as
ideias mais frescas  que alguma vez teria imaginado. Uma taça de vinagre para
o calcão da unha e a minha pessoa está na figura ridícula de mobilidade
reduzida e indisfarçável. Como raio se disfarça um pedregulho na testa e se
mantém a destreza quando nos administram estes primeiros socorros. Para
ajudar à festa entra, sem bater, a ti "Catrina". Olha para mim num misto de dó e
resignação, sem manifestar a mais pequena estranheza do meu aparato. Fez-
me logo o diagnóstico, perguntou se tinha caído e onde.- «Fui eu sem querer
que lhe dei com a porta na testa (na verdade  disse com a porta nos cornos),
ela estava a espreitar o sobreiro, ou o raio que a parta, é qualquer coisa que
fazem lá na cidade.» Disse a minha avó. Foi nesse momento que a “ti Catrina"
me olhou atónita, mas era outro o assunto  que a trazia. (...) continua...

Foto by me

10 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

Em destaque no SAPO Blogs
pub